O melhor do Salone del Mobile 2011 (parte 1)

por thaís serafini

Tendo já participado ativamente da loucura e do exagero visual que é o Salone del Mobile, a também chamada designweek pela dimensão que atingiu nos últimos tempos, é quase imparcial analisar os frutos da edição deste ano somente pela internet. Porém, me arrisco a destacar alguns eventos/produtos que me pareceram mais significantes, por motivos diversos e até bem pessoais (coisa que não deixa de acontecer com aqueles que passaram a semana a perambular entre showrooms e coquetéis de puro marketing).

Com base na edição do ano passado, nas tendências mundias e nos rumos da indústria moveleira, eu já tinha arriscado dar alguns palpites por aqui. Os resquícios de três anos marcados pela recessão econômica, segundo a Alice Rawsthorn, continuavam presentes neste ano. Aliás, os cartazes sobre as eleições municipais do próximo mês espalhados pelas ruas de Milão, não deixaram que os escândalos políticos e a crise financeira do país fossem esquecidos. A jornalista autora das melhores críticas de sempre sobre o design ressaltou também que os fabricantes de mobiliário encontram-se ainda em situação frágil, o que poderia justificar a manutenção de linhas de produtos já existentes ao invés da criação de novas e o renascimento de algumas pequenas empresas familiares, que parece ser uma tendência forte apresentada na feira deste ano.

A opinião do designer Yves Béhar (cujo projeto é destaque a seguir), através do site da LS:N Global,  a busca atual é por uma “poesia da simplicidade, que vem em contraste com aos anos recentes de ostentação e consumismo”. As pessoas estão dispostas a pagar somente por produtos e experiências que consigam entregar soluções mais simples, sem elementos sobressalentes ou que considerem desnecessários.

Algumas palavras-chave poderiam também remeter ao conforto, à retomada de raízes e tradições antigas, à parceria entre tecnologia e materiais em busca de simplicidade e diminuição de custos.

Vamos aos meus elegidos? (em ordem aleatória)

Design for Download por Droog Design

O grupo holandês mais visionário e querido (por mim) lançou esta ferramenta virtual que promete ser a primeira plataforma para “downloadable design”, através da qual produtos podem ser criados, copiados, divididos e avaliados por usuários comuns de computador. Além de baixar os custos de etapas como produção, projeto, transporte e armazenagem, e facilitar a comunicação entre designers e consumidores, a Droog pretende fazer do design mais acessível a todos, pois acredita que “everything is makeable, anytime, anywhere, by anyone”.

Design Academy Eindhoven

Depois do grupo de design mais querido, esta é a escola de design (e de ideologia) que eu mais admiro. O blog italiano Designerblog contou que esta instalação, localizada em uma das zonas menos valorizadas na designweek (Porta Romana), proporcionou uma experiência mais intensa do que o resto do evento todo. A filosofia de base é aquela de uma atividade de problem solving, que se inicia por uma pesquisa para chegar em uma pergunta (lembram da instalação da escola no ano passado ?) e fazer do projeto uma resposta lógica e concreta, mas ao mesmo tempo humana e inimaginável. Tratava-se de mais do que instalações: a Design Academy convidou os visitantes para palestras, conversas e debates durante o café da manha, apresentando projetos de alunos e graduados, parcerias, com base nas diferentes visões sobre o mundo.

Exemplos dos mais incríveis são: o projeto de Yves Behar, um dispositivo para livrar de minas os territórios do Afeganistão que precisa apenas da força do vento e dispensa o perigoso intervento humano; e os estudos de padrões têxteis criados não pensando no consumidor final mas sim nos artesões fabricantes: pessoas com doenças mentais que tem facilidade de tecer uma determinada trama. (Tour no site http://www.designacademy.nl/SaloneMilan2011.aspx)

designacademyeindhoven20111

o dispositivo de Yves B. e os padrões em tecido ao fundo

yvesbehar

detalhe do projeto

eindhoven2011

Design Academy Eindhoven @ Milan 2011

“Stadsmuziek” de Akko Golembeld, também no interno da instalação da Design Academy Eindhoven:

“Qual o som de uma cidade? Quais os tons produzidos pela sua arquitetura e urbanística?” As respostas são apresentadas através de um cilindro gigante de madeira, com o modelo em escala da cidade de Eindhoven, que transforma as dimensões e distâncias dos seus edifícios e construções em uma experiência auditiva.

One Trackback to “O melhor do Salone del Mobile 2011 (parte 1)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: