Starck entre o reciclável, o reciclado e a fama das cadeiras

por thaís serafini

Alguém ainda consegue argumentar com o designer mais estrela dos nosso tempos? Alguém que diz que o mundo precisa produzir e consumir menos mas continua engordando o bolso com projetos de grife? Ok ok, críticas à parte, longe de mim desmerecer o designer Starck e o que ele tem representando – quando é para o bem dos outros designers também.

Agora fico aqui me perguntando se fazem anos demais que acabei a faculdade e parei de estudar materiais e fabricação e posso ter esquecido detalhes, ou se o Mr. Philippe é realmente muito espertinho e pretende me dar um nó com essa história de cadeira sustentável.

A parceria com a Emeco realmente parece ser valiosa (tem mais aqui) para uma empresa importante que estava por afundar de tanto fabricar sempre a mesma cadeira. Mas a intenção por aqui é, na verdade, discutir o quanto de positivo tem no lançamento da cadeira Broom e quanto disso é marketing (ou desconhecimento meu?).

A cadeira Broom teria levado 10 anos de estudo para chegar à fórmula perfeita de um material capaz de criar a cadeira completamente reciclada. Sem desmerecer o esforço tecnólogico de empresas parceiras como a BASF, é importante diferenciar que o material criado é reciclado, porém dificilmente será reciclável.

O uso de serragem com adição de um polímero cria um compósito, a união de diferentes materiais mas que dificulta processos seguintes pois a sua ‘separação’ é quase impossível. Segundo fontes mais confiáveis: “Em razão de sua flexibilidade, os plásticos comuns podem ser facilmente moídos e reprocessados, sendo um dos exemplos mais claros a reciclagem de garrafas PET. Os compósitos, ao contrário, são rígidos em razão da maior complexidade em sua formação química, com ligações cruzadas que dificultam o seu processamento.”

E sabe o Starck tem a dizer a respeito deste “pequeno” detalhe? “Starck acredita que reciclagem foi uma grande mentira que as pessoas do marketing criaram para convencer o público a consumir e jogar fora. Ele acredita que se você tem a tradição de fabricar algo bem, você nunca irá precisar reciclar as coisas”.

O ideal seria, realmente, poder pensar em produtos com laços suficientemente fortes (entre outras características muito importantes) que incentivem o seu usuário a não descartá-las tão facilmente. Porém me parece não muito honesto da parte de um designer divulgar apenas uma parcela de toda a sua atividade projetual, a parcela que mais convém para chamar exatamente a atenção da mídia. Não chegamos ainda à utopia de poder criar produtos sem pensar no seu possível fim.


Anúncios

4 Comentários to “Starck entre o reciclável, o reciclado e a fama das cadeiras”

  1. Compósitos são recicláveis sim. Apenas a separação polímero-carga que não é possivel, mas isso não inviabliza a reciclagem do compósito. E compósitos termoplásticos não tem ligações cruzadas, apenas os termorrígidos e elastômeros as tem, e elas realmente inviabilizam a reciclagem no sentido do material ser convertido novamente no mesmo material que era. Porém eles podem ser utlizados como carga em outros tipos de compósitos poliméricos, e desta forma serem reciclados para gerar um novo material.

    Stark está certo quando diz o importante é consumir e produzir menos. E deveria haver menos pessoas na face da terra, porque não existe crescimento infinito sobre um planeta finito. Esse é o verdadeiro desafio da sustentabilidade.

    • Obrigada pela contribuição, Sibele, meu conhecimento de materiais não é completo assim. E concordo com você e com Starck, o verdadeiro desafio da sustentabilidade vai além das questões puramente físicas da produção material :)

  2. Ainda bem Thaiss que você reparou a sua arrogância. Antes de falar muito as pessoas devem ter humildade. A inveja é uma coisa horrível. O Starck não é o que é à toa.

    • Oi Lucimara, obrigada por deixar sua opinião. Acima de achar bonito ou feio, precisamos aprender a questionar o design e os produtos que lançamos no mercado – esta é a ideia do meu blog. Se você souber reparar na quantidade de vezes que o Starck foi citado em posts meus, vai perceber o Starck é sim muito valorizado por aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: