Posts tagged ‘design do futuro’

outubro 27, 2015

Algoritmos, biologia e o design

por thaís serafini

Paola Antonelli, em entrevista para a italiana Rivista Studio, conta o que imagina como as fronteiras do futuro para o design:

“No começo do verão anunciamos novas aquisições [no MoMa]: um rendering digital e dois modelos impressos em 3D do vírus Phi-X174, inócuo para os humanos mas capaz de destruir as células de uma bactéria muito difusa. E depois adquirimos uma série de três esculturas de design que são fruto do trabalho comum de um célebre tecelão de cestos tradicionais dos nativos americanos e de um studio de designer que desenvolveram algoritmos digitais. Nós realmente compramos algoritmos e entidades biológicas: é um pouco incomum para o nosso setor, mas é um trabalho que levamos adiante faz alguns anos, desde 2008 quando compramos interfaces. Simplesmente estamos tentando fazer o mundo entender que o design expandiu muito a própria área de atividade, de estudo e de influência. O nosso dever é fazer com que as instituições culturais também acompanhem esta transformação contínua.

(…)

Eu penso que os designers, quando são bons, funcionam como interface entre as revoluções científicas e tecnológicas e a nossa vida. A inovação verdadeira não pode acontecer sem o design, porque os cientistas podem descobrir as microondas, podem inventar a Internet, mas sem os designers que criam a interface ou desenham os fornos, todas essas inovações não teriam vida. Então, quanto mais enfrentamos mudanças que provocam, mais os designers se tornam fundamentais.”

Entrevista completa aqui.

Anúncios
novembro 18, 2014

“Não existe o material do momento”

por thaís serafini

Direto de entrevista no blog do Casa Brasil, algumas palavrinhas pra nos deixar pensando… Quando questionado sobre o consumo, as tendências, o design e os consumidores do “futuro”, o designer Paulo Biacchi sugere:

“Essa é a graça da coisa. Não existe o material do momento. Existem movimentos e pessoas criando processos. Processos artesanais, processos de baixa e média produção que utilizam materiais diversos. São móveis, objetos, roupas, sapatos e joias.

A motivação principal é consumir um produto com história, com alma.

[…]

O (design) bom é bom e o ruim é ruim. O filtro disso é o mercado e continuará sendo. Independente disso e desse consumo ser pautado pelas baixas produções, o grande desafio está nas mãos da indústria! Como produzir em série uma peça que agrade a esse novo consumo? Como entregar para o mercado essa exclusividade em um produto seriado feito aos milhares? Bom, nós já estamos pensando nisso.”

fetiche-lamp

 

Paulo Biacchi é sócio do estúdio de design Fetiche e também da marca de produtos para casa Fetiche. A Guarda Luz, luminária da imagem, é da Fetiche Design para o Museu de Arte Moderna de São Paulo.