Posts tagged ‘#kartell’

abril 16, 2015

We all go Sottsass! | Milan Design Week – parte II

por thaís serafini

Como destaca a Wallpaper, a febre inspirada no Memphis parece mesmo não ter prazo pra acabar… Ainda bem! A estética divertida e provocante do grupo da década de 80 – liderado por Ettore Sottsass – é o tema dos lançamentos da Kartell no Salone de 2015.

Deixando de lado a mera adaptação de produtos já existentes da marca, o que acho mais interessante é que a parceria com o designer começou lá em 2004, porém, não foi finalizada pois muitas das peças demandavam tecnologias que ainda não haviam sido desenvolvidas na época. Sottsass faleceu em 2007 mas a Kartell decidiu que poderia levar adiante a parceria seguindo suas ideias e agora, mais de uma década depois, conseguiu concretizar todas aquelas linhas e cores malucas.

k-s1

O diretor da empresa, Claudio Luti, afirma: “A tecnologia moderna hoje nos permite produzir os designs de Sottsass em um nível de sofisticação que não poderíamos imaginar dez anos atrás. Estou convencido de que o próprio Sottsass teria sido um grande fã de como trouxemos estes objetos à vida. A sua estética única e reconhecível vão diferencia-los no seu futuro industrial internacional.”

k-s2

Anúncios
abril 20, 2012

Salão do Móvel 2012: Lenny Kravitz designer?

por thaís serafini

São tempos realmente tristes engraçados para os designers: enquanto aqueles que estudaram mal conseguem sobreviver (quando alguma empresa decide dar a chance, é claro) as celebridades que precisam acabar com o tédio e ganhar atenção da mídia, acordam e resolvem assinar uma linha “design”. Salvo algumas raras exceções das quais nascem produtos realmente interessantes, a maioria acaba por aplicar o famoso Styling somente.

Eis que a Kartell resolveu apresentar no Salão do Móvel uma coleção produzida por Lenny Kravitz em parceria com Philippe Starck, que havia projetado a cadeira Mademoiselle há alguns anos. A ideia foi escolher texturas e tecidos exóticos para reinterpretar a peça imprimindo o estilo pessoal do rockstar. Parece que Mr. Kravitz tem até um studio de arquitetura próprio mas, de qualquer maneira, espero que a Kartell tenha outras cartas na manga para apresentar neste Salone (e poder chamar de design).

imagens via

fevereiro 16, 2012

Homenagem da Kartell a Joe Colombo

por thaís serafini

Quem lembra do Joe Colombo certamente lembra da Kartell, portanto deixo de lado apresentações muito profundas para dizer somente que a parceria entre os dois nomes foi importantíssima para ambos. A empresa italiana decidiu neste ano comemorar a vida e o trabalho de Colombo, que teve um morte prematura em 1971, ao relançar a icônica cadeira 4801, de sua autoria, e hospedar também uma mostra em NYC sobre o designer.

Foram 12 objetos projetados por Colombo para a Kartell, sendo a 4801 o primeiro deles, em 1965. Segundo a empresa, a ideia era usar ABS mas devido à impossibilidade técnica a cadeira acabou sendo produzida em madeira. Nesta nova versão os avanços da produção permitiram que se criasse a 4801 de acordo com a ideia original.

novembro 22, 2011

Starck e o futuro

por thaís serafini

Realmente esse Phillipe Starck é uma figura de difícil definição. Eu escolheria algo entre polêmico, oportunista e divertido para caracterizar o designer francês. Depois de acumular fortuna e fama com produtos inúteis ele vem dizer que prefere ajudar as pessoas que fazer design. Ok, a intenção (parece) ser boa, como neste trecho de uma entrevista concedida por ele no Brasil, onde esteve para lançamento da cadeira Masters da Kartell. Confira e opine (a seguir, conheça a Masters):

“O futuro da casa é menos. Menos móveis, menos objetos, menos tudo. Assim como os computadores, as casas devem perder a materialidade, mas ganhar inteligência. […] Precisamos parar de crescer para evoluir. E o futuro do design é não ter futuro.”

outubro 24, 2011

Design Italiano: aulas 2 e 3

por thaís serafini

A terceira aula do curso de extensão que estou ministrando na Universidade Feevale foi neste último sábado (22/10), recebida com muito sol e calor de uma primavera-quase-verão. Se nas aulas anteriores estivemos quase 100% focados na história do design italiano – exceto na segunda parte da aula 2, ao apresentar os projetos atuais dos estudos de caso Alessi e Kartell, marcas símbolo do Made in Italy – chegamos agora ao percurso atual do design em Milão.

Para os interessados (e apaixonados, como eu) pelo Design Italiano, é imprescindível conhecer cada detalhe integrante desta rede produtora que é a capital internacional do design. E fica para o dia 29 a curiosidade: os alunos foram convidados a desenvolver uma atividade de pesquisa objetiva para apresentar à turma um pouco das suas inspirações pessoais relacionadas ao design italiano.

Como comentei no primeiro post do assunto, tenho a sorte de contar com uma turma super diversificada – de áreas como arquitetura, design gráfico, engenharia, Moda e design de Acessórios – portanto acredito que será um momento precioso de aprendizado para todos. Professora inclusa!

 

 

setembro 3, 2011

Apartamento-manifesto

por thaís serafini

Não basta projetar, é preciso viver a sua criação: por isso Joe Colombo criou este apartamento-manifesto para ele e sua esposa na década de 70. Sou admiradora de seus produtos criados para a Kartell mas não sabia que tinha verdadeiro fascínio, na verdade,  por sistemas de moradia.

Neste artigo publicado na época pela revista Domus, o designer apresenta o apartamento dividido em duas máquinas: a de comer e a de dormir, tendo transformado essas duas zonas distintas em objetos que podem coexistir inclusive no mesmo ambiente. Típica dos anos setenta, a obssessão com o futurismo e a fantasia tiveram forte influência neste projeto que provavelmente tentava visualizar como seria a tal ‘vida moderna’.

joe colombo's apt

A cama é ‘conversível‘ com uma cápsula amarela que serve de teto e é controlada automaticamente, cheia de painéis que permitem inclusive programar luzes coloridas, e tem ainda acendedor de cigarros, telefone, ventilador de teto e alto-falantes. A energia elétrica para tudo isso vem direto do teto, por dentro de um tubo de aspirador de pó. Atrás da cama estão outros objetos necessários desta zona da casa – lençóis, roupas, espelhos e cabides – e até mesmo um termômetro para o momento de sair de casa. Finalmente, é isolada por uma parede de correr em plástico acionada manualmente.

O restante da casa – como a cozinha e o banheiro –  teve de ser mantido ‘convencional’ devido a elementos mecânicos que não podiam ser alterados. Através do esquema na planta baixa é possível localizar os elementos e também a posição das Multichair, famosa peça desenhado por Joe que consiste de duas estruturas estofadas conectadas que possibilitam diversas posições e usos.

A zona ‘comer’ possui um tampo de mesa giratório e que pode ser escondido e que possui um equipamento que esquenta pratos em seu centro. A grande ousadia é ter uma televisão também por aqui já que ‘vivemos em uma civilização condicionada pela televisão‘.

Joe Colombo escolheu utilizar somente uma cor, a amarela, e somente em um elemento, a cápsula da cama. Parecia tão estranho o futuro para eles, em 1971, quanto o parece para nós hoje em 2011.