Posts tagged ‘#milão’

agosto 10, 2012

A opinião de Rossana Orlandi

por thaís serafini

Rossana Orlandi está entre as mulheres que eu admiro (principalmente como profissional), confesso que a tenho como referência e inspiração. Também por isso senti a necessidade de compartilhar um pedacinho de uma entrevista sua que acabei de ler – e recomendo. Até porque não se pode questionar a análise da fundadora e proprietária da principal galeria de design de Milão (e talvez do mundo).

Como tem sido a mudança na cena do design em Milão nos últimos cinco anos?

Tudo o que aconteceu foi consequência da crise financeira, mas a mentalidade do designer mudou um pouco, Eles estão mais concretos na resolução das suas ideias,ì; estão olhando com mais atenção para preço e qualidade. As ideias de eco-sustentabilidade são muito importantes, mas este é um termo que tem sido usado demais e do jeito errado, porque muito do que é dito como sustentável é uma mentira. Um designer deve sempre respeitar o jeito do material, deve pensar no desperdício e como usar as coisas da maneira certa. […] Agora os designers precisam ser muito espertos e ter muito cuidado com o que fazem.”

maio 9, 2012

Exibindo objetos cortantes

por thaís serafini

Este é o tipo de evento que infelizmente não se vê com frequência fora do tradicional eixo de design NYC-Milão-e-outras-capitais-badaladas. Longe daqui, mas um dia chegaremos lá. Eis que uma histórica fabricante de facas localizada em Milão está colaborando para montar uma mostra exclusiva de objetos projetados para cortar, a Lama/Non lama.

Além de encher os olhos e inspirações dos designers de produto, uma performance do coletivo Tour de Fork na noite de inauguração irá envolver os participantes com um momento ligado à alimentação e à gestualidade da faca. Incrível, não?

A abertura contará também com uma “conversa” entre o designer Giulio Iacchetti e o dono da Coltelleria Lorenzi. Para quem passar por Milano até 9/07/12, o endereço é Via Piave, 27. As imagens são de algumas das peças curiosas que estarão expostas na mostra.

via

abril 16, 2012

Salão do Móvel 2012: Marni e os prisioneiros colombianos

por thaís serafini

O primeiro post aqui no Cataclisma sobre o Salone del Mobile 2012 não poderia deixar de trazer alguns questionamentos comuns meus para com o design: começando pelo fato de analisar uma feira à distância (coisa que tem sido muito facilitada pela internet, apesar de totalmente parcial em suas divulgações). Talvez por isso o primeiro post de lançamento venha de uma fonte que não costuma falar de design e me proponho a analisar os lançamentos sob outros pontos de vista dessa vez.

Quanto ao produto em si e à marca: a Marni é um nome importante da moda italiana e internacional e, portanto, basta lançar um produto para sair na mídia, assim como acontece com a maioria dos lançamentos grandes do Salão do Móvel, sejam eles relevantes ou não.  E sim, são cadeiras, os produtos favoritos de todos os designers e do público em geral quando se fala no assunto. Um dia ainda conseguirei desvendar esse fascínio de maneira satisfatória sem recorrer à crítica que costumo fazer: Precisamos mesmo de mais 9756 modelos novos de cadeira esse ano?

Sigo analisando a coleção em si: são 100 cadeiras fabricadas por ex-prisioneiros colombianos. O projeto pretende reafirmar o caráter beneficente da marca dando oportunidade de trabalho e reintegração social aos presos. Sem poder analisar friamente o quanto dessa verba e incentivo chegou de fato aos indivívuos e suas famílias, considero valiosa a coleção também por prestar  homenagem às cadeiras tradicionais da Colômbia ao utilizar a trama em PVC.

As cadeiras ainda foram utilizadas no projeto L’arte del ritratto, em que Francesco Jodice fotografou a equipe de funcionários da Marni em seus departamentos  – mais um ponto para a Marni.

Atualização: acabei de descobrir que os fundos arrecadados nas vendas das peças serão destinados a uma associação milanesa que reaproxima mães ex-presidiárias e seus filhos (ICAM).

 

março 6, 2012

LunchBook para a EXPO Milano 2015

por thaís serafini

Um dos muitos motivos que me deixa triste de ter partido de Milão são os eventos grandes que a distância me impedirá de participar. Para não mencionar somente o óbvio Salone del Mobile, falo da EXPO 2015 que terá a comida como tema – perfeito, não?

O projeto a seguir foi o ganhador de um concurso lançado para escolher a melhor embalagem “de almoço” a ser utilizada durante a feira. Alessandro Garlandini e Sebastiano Ercoli criaram um livro de receitas que funciona também como prato, cada folha pode ser destacada e serve de apoio para apreciar os diversos pratos oferecidos na ocasião (o furo na lateral permite segurar o prato até mesmo enquanto se caminha). Além disso, cada folha traz também uma receita de um país diferente. Os pratos são feitos de papel, sendo 100% recicláveis e compostáveis.

agosto 14, 2011

Absolutamente

por thaís serafini

Tudo começa com um branco absoluto“, é a teoria da Absolut para seu último projeto colaborativo. Não é recente a ligação da marca de vodka com o mundo da arte e do design.

São dezoito artistas – entre ilustradores, designers e afins – que utilizaram a silhueta da famosa garrafa (e a transparência da bebida) como tela em branco para experimentar criativamente, seja com desenhos, miniaturas ou iluminação especial. O video a seguir é do making-of do projeto e aqui estão as imagens finais.

já a foto a seguir é da instalação/mural da própria Absolut, que era alterada a cada estação, na zona de Porta Ticinese em Milão (e uma feliz tarde de maio/2010). Estrategicamente localizada na zona da cidade mais “ativa” durante as noites de verão, entre bares, restaurantes e lojinhas interessantes.

absolut wall em milão

via

Tags: ,
julho 26, 2011

O café da manhã (internacional) dos campeões

por thaís serafini

Para analisar criticamente a ideia internacional do café da manhã, seus rituais, objetos e alimentos de maneira a render explícitos seus conceitos, um grupo de estudantes da Texas A&M University em workshop na Itália criou o evento Wonderbreakfast, realizado dia 20 de julho às 10:30. Com o apoio de arquitetos italianos, da NABA e de uma food designer, a exibição/evento teve apenas convidados especiais, entre eles Maria Giulia Zunino da (altamente recomendada) revista italiana Abitare.

O convite, escrito de maneira informal em um guardanapo, deixou a todos curiosos com as poucas informações, mas requisitava: “Venham famintos: iremos servir um café da manhã como vocês nunca viram.” E realmente, no pátio típico de um edifício do século XVIII em Milão, garçons descalços serviam individualmente os comensais de maneira única.

wbk

wbk

Para uma provocação ainda maior, uma longa mesa branca foi utilizada como banco, enquanto cadeiras se tornaram as pequenas mesas individuais, com o menu pendurado em seu encosto para que fosse acompanhado.

Mas a a comida? “Excelente e imaginativa“, segundo Maria Giulia. A proposta era “transformar o doce em salgado e o salgado em doce” baseando-se nos alimentos típicos italianos e americanos, por isso o menu oferecia: cappuccino inventado com uma espécie de espuma de iogurte ou queijo mole (escondendo pedacinhos de abobrinha e beringela),  e uma interpretação dos clássicos “ovos com bacon” com meio pêssego em calda fazendo as vezes da gema e pedaços de macarrão doce imitando bacon.

wbk

wbk

wbk

wbk

wbk

Todos satisfeitos com a experiência de um restaurante que valeria “100 estrelas“, complementado por uma festa à noite, no mesmo jardim, na qual  um telão apresentou ao público imagens da preparação dos alimentos do café da manhã e da montagem do evento.