Posts tagged ‘#triennale’

abril 1, 2014

O Salão do Móvel de Milão vem aí!

por thaís serafini

Há meses que já estão todos falando do Salone del Mobile, mas só nas últimas semanas que eu comecei a tentar organizar as ideias e voltar a ficar de olho no evento anual mais badalado do mundo do design. São tão numerosos os lançamentos, tantas as “novidades”, que é difícil fazer um apanhado completo de quem e o quê vai estar por lá.

Aí vão algumas das dicas que andei “pescando” mas, conforme o andamento do evento, vamos nos atualizando por aqui com o que tiver de mais interessante:

sal1

A imagem acima é a “concept bike” DL21, um dos projetos do Peugeot Design Lab, uma das indicações da Marie Claire italiana (sim, revista não especializada mas que publicou algumas dicas bacanas). Depois de projetar relógios, barcos e bicicletas, a marca francesa deve apresentar mais uma novidade na Via Tortona. Além disso, a matéria indica as cerâmicas do espanhol James Hayon com a empresa vêneta Bosa (que estarão na pavilhão 5 em Rho) e na zona Ventura os estudantes holandeses do Koning Willem I College que, a convite do Dutch Slow Design, projetaram conforme critérios “slow”: materiais locais ou reciclados e processos de fabricação de baixo impacto ambiental (imagem abaixo).

sal2

Entre os nomes brasileiros que estarão expondo por lá está a mostra Origens do Brasil, com curadoria da Adélia Borges e a Rio + Design (na Via Tortona), que vai reunir mais de 50 expositores brazucas sob o tema design para o cotidiano.

expo-br-milao

 

Já na Triennale, a “casa do design italiano” e parada obrigatória para quem vai ao Salone, está na sua sétima interpretação e merece uma visita exploratória. O tema deste ano fala de momentos de crise econômica em que a produção material teve de ser repensada e acabou ganhando um estímulo criativo projetual ainda maior (como nos anos 30, 70 e 2000, denonimados pela mostra como os períodos cruciais). Na imagem abaixo, projeto escolhido do Formafantasma.

sal3

 

O Salão do Móvel 2014 acontece de 8 a 13 de abril em Milão e você pode ler sobre as edições anteriores aqui.

 

abril 2, 2012

A casa de um designer italiano

por thaís serafini

Ouso dizer que 2012 é o ano de Fabio Novembre. Mesmo faltando ainda pouco menos de um mês para o Salão do Móvel principal evento de design do mundo que acontece na própria cidade do Fabio, ele anda participando de inúmeros projetos bem importantes, como a curadoria da interpretação anual da Triennale.

Ele é também considerado o designer italiano mais importante da atualidade – e, por mais que não admire muito seus projetos individuais, também sou dessa opinião. Por isso acho curioso compartilhar essas imagens da casa de Novembre, fotografada por Ruy Teixeira.

Uma antiga fábrica de couro foi convertida em casa e studio e apresenta suas paixões – como a moto BMW vintage desenhada em 1994 por Tom Dixon – em meio à suas próprias criações. Ele a define assim:

“A massa de objetos que me circunda são mais como pedaços de aventuras passadas, memórias de pessoas, promesses de amigos. Existe uma única coisa que já vi milhares de vezes e continua sendo a maior inspiração do meu trabalho: o corpo feminino.”

via

abril 25, 2011

O maestro que colocou o país na cruz

por thaís serafini

É difícil parar de citar o design italiano e o recente Salone del Mobile (que vai ter repercussão por um bom tempo ainda), mas a instalação do mestre Gaetano Pesce, inaugurada durante o evento, é digna de uma menção bem honrosa.

Ano passado tive a grande chance de participar de uma palestra do grande designer, na qual ele ressaltou constantemente a importância de valorizar as diferenças, seja em pessoas, produtos ou no corpo humano, já que segundo ele os seres humanos, como as frutas, são sempre diferentes apesar de semelhantes. Gaetano é autor de uma série de produtos e projetos que valem uma busca com carinho (já falei de algumas por aqui) e resolveu retratar o mapa da Itália crucificado como um ‘ator de amor‘ para um país que sofre.

pesce para triennale

Segundo o autor, o objetivo é levantar discussões e polêmicas, um debate sobre o pessimismo e as críticas contínuas, resultado de políticas moralistas e e conformistas. “Chegou a hora de virar a página. A Itália é uma nação maravilhosa, mas se continuarmos assim ela não conseguirá mais sustentar tantos ataques e assim seremos ainda mais pobres. A minha instalação é um convite à reflexão, a rezar para que a Itália melhore.”

Para um efeito ainda mais dramático, Gaetano usou pedaços de carne de verdade para criar os modelos, que foram então substituídos por resina. A instalação “L’Italia in Croce” pode ser visitada na Triennale Design Museum até o dia primeiro de maio.

gpesce

gpesce

pesce

maestropesce

abril 7, 2011

Fabricando sonhos na Triennale

por thaís serafini

Há pouco tempo atrás, a Triennale Design Museum e suas revisitações anuais foram o assunto de dois posts aqui publicados. Nesta semana, é impossível deixar de voltar à ela, já que a quarta interpretação foi inaugurada e estará em apresentação até fevereiro de 2012, com o tema “Le Fabbriche dei Sogni” (As Fábricas de Sonhos). O responsável por esta edição é ninguém menos do que o empreendedor Alberto Alessi, o nome por trás da nossa querida Alessi.

Totem da triennale

O totem que recebe os visitantes

 

A ideia de Alberto é falar sobre a importância da relação de confiança entre empresas e designers, um relacionamento semelhante ao da jardinagem, segundo ele, em que os empreendedores são os bons e pacientes jardineiros, os designers são as árvores bem cuidadas e protegidas, e os produtos de design são os frutos, e também a realização dos sonhos das pessoas.

Triennale+AlbertoA

"O bom jardineiro"

 

Triennale+AA

A exposição "fabulosa"

 

A visão e a coragem destes grandes chefes de empresas italianas dos últimos sessenta anos são formam uma parte imprescindível (e muitas vezes subestimada) do sucesso mundial e da tradição conquistada pelo design ‘Made in Italy’.

O projeto e montagem da exposição são criações do designer espanhol Marti Guixé e remetem à linguagem dos quadrinhos em um ‘mundo de fábulas, algo entre Alice no País das Maravilhas e O Pequeno Príncipe”. Entre os muitos textos de Alberto impressos pelas paredes (a sua caligrafia foi digitalizada e transformada na fonte Alb Script para personificar ainda mais a parte escrita) está também uma gigantesca coleção de 250 objetos, ilustrando os 12 capítulos elegidos na mostra por Alberto.

marti+triennale

Marti Guixé e os textos de Alberto Alessi

 

triennale

Objetos da coleção

Finalizo com as palavras do grande Alberto Alessi:

“Estamos conscientes que o nosso primeiro papel não é tanto aquele de produzir lâmpadas ou cafeteiras. É, acima de tudo, aquele de mediadores artísticos: de um lado estão as melhores expressões do design internacional e do outro estão o mercado e as necessidades do público, ou como prefiro chamar, os sonhos do público.”

março 24, 2011

A Triennale de Milão

por thaís serafini

Acho que é mais do que útil e importante, depois de falar sobre a Terceira Interpretação do Mendini dedicar um post para detalhar a própria Triennale Design Museum.

Inaugurada em 2007 como o primeiro museu do design italiano, a Triennale apresentou sua primeira interpetação anual em 2008 com o título “As sete obsessões do design italiano”. O ano de 2009 trouxe a exposição ‘Serie Fuori Serie’, com objetos apresentados segundo a sua fabricação (desde a produção em grandes séries até os personalizados fora de série).

As interpretações anuais são uma maneira de demonstrar pontos de vista diversos e a multiplicidade do que há de mais clássico do design no mundo.

Além disso (e do ambiente inspirador do prédio em si), a Triennale conta com uma livraria completa e apetitosa para as artes, o design e a moda, e com o Designcafé que disponibiliza uma coleção de cadeiras ícones do design para serem desfrutadas durante a pausa café ou lanche. O pátio e restaurante externo são interligados ao enorme Parque Sempione (nos fundos do Castello Sforzesco) e oferecem um aperitivo semanal em parceria com a Campari, o Camparitivo. Ou seja, é um lugar onde poderíamos praticamente viver de design felizes para sempre.

 

Restaurante externo no tema Camparitivo

Restaurante externo no tema Camparitivo

 

Instalações no pátio da Triennale

Instalações no pátio da Triennale

 

O pátio e o parque

O pátio e o parque

Outros eventos interessantíssimos estão sempre girando na órbita Triennale, por exemplo, em 2010 pude visitar mostras como a do Roy Lichtenstein, conhecer algumas luminárias típicas dos anos 60 na mostra Space Light e assistir gratuitamente palestras incríveis como a do Gaetano Pesce e a dos Irmãos Campana.

Visitar Milão e não dar uma passadinha na Triennale é um pecado quase tão grave quanto visitar a Itália e não provar uma pizza Margherita.

 

Palestra com os Campana (14/10/2010)

Palestra com os Campana (14/10/2010)

 

A mostra dos Campana na Triennale

A mostra dos Campana na Triennale

 

Roy Lichstenstein: Meditations on Art (05/2010)

Roy Lichstenstein: Meditations on Art (05/2010)

março 24, 2011

As coisas

por thaís serafini

Encerrada em 27 de fevereiro, a terceira interpretação da Triennale Design Museum chamada ‘Quali cose siamo’ foi escolhida por Alice Rawsthorn na sua coluna para o New York Times como a melhor exposição de design em 2010.

Alessandro Mendini, um dos grandes mestres do design italiano, é o curador responsável por escolher e dispor minuciosamente cada uma das 800 peças desta coleção. São peças que, de uma maneira ou outra, representam o design e a cultura italiana moderna mas deixam ao visitante a tarefa de analisar os objetos como bem enteder, pois eles estão ali dispostos sem ordem, critério ou cronologia específica.

A explicação de Mendini é que as coisas e os objetos que nos pertecem, frutos da nossa cultura, formam o que somos. Refletir sobre eles é tambem refletir sobre nós mesmos, sobre o passado, o presente e o rumo para o futuro. Palavras dele copiadas direto da parede da exposição:

“De uma certa maneira, enquanto crescia essa coleção de objetos, eu entendi que eles eram, que eles são, as minhas memorias. As nossas memorias. Ou, ainda melhor, as minhas, as nossas prisões, os objetos e os pensamentos dos quais somos prisioneiros. […] Nòs mesmos somos as nossas coisas. Nòs somos as coisas entre as coisas. E então, que coisas somos?”

O ingresso da exposição

O ingresso da exposição

 

Algumas das peças escolhidas por Mendini

Algumas das peças escolhidas por Mendini

Além da enorme curiosidade da pessoa aqui, estou com o coração na mão de não estar por perto, pois dentro de pouquissimo tempo será inaugurada a próxima edição da Triennale (mais precisamente dia 5 de abril). Então, indico também a página da Triennale no facebook para acompanhar as novidades e o que vem por aí.